Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Baile da Chita

Baile da Chita

17
Jun18

Tenta escrever aquilo que tu és e que não te permites ser

Tornei-me xenófobo depois de um ano a vender um produto a estrangeiros ignorantes sobre esse mesmo produto que eu vendo há 18 anos e que eu próprio ainda não conheço. Tornei-me alcoólico porque não passa uma semana em que não passe um dia em que me sinta bêbedo e, depois de 18 anos a vender álcool (o produto, a cena), a minha resistência tornou-se olimpica. Tornei-me adito ou adicto, porque as coisas que me fazem sentir bem fazem-me sentir mal logo a seguir e eu quero muito continuar a sentir-me bem, ainda que me sinta mal imediatamente porque o que me faz sentir bem é saber que me vou sentir bem enquanto as estou a consumir e se não as consumo, não haverá problema, porque eu não serei um adicto (cê tê, adiCTo) mas apenas alguém que está no controlo da sua adição, como qualquer adicto dirá que o está a fazer. Como eles, os outros que não eu, tenho as minhas coisas sérias, tenho familia, porra, acabei de ser pai. Pai, como sempre quis ser, e não me vejo de outra forma no futuro como aqueles que conheci no Bairro Alto ou no Cais do Sodré ou nas festas de Agostos e Setembro das terrinhas que se juntavam ao nosso grupo de adolescentes a fumar ganzas e falavam de todas as bandas que eu gostava e acabavam a falar do Patriarche e dos filhos que estavam com as mães, com os pais ou com a Casa Pia. Vejo-me assim e todos os dias luto para não ser assim. Tenho vencido a luta às escondidas de toda a gente, ainda que a minha vontade seja a de fazer alarde e dizer ao patrão: hoje, aturei-te sem cheirar uma linha de coca ou sem beber uma garrafa de Jack Daniels. Onde é que está o meu prémio, filho da puta? Não os há, porque isso é viver. Isso é sobreviver. Isso é ser uma pessoa limpa, normal. Isso é "fazer das fraquezas, força", conselho que o meu pai me deu quando tive o meu primeiro desgosto de amor (ai, o amor, o amor, o amor adolescente, o único que existe até gerares). Isso é fazer das fraquezas... foda-se, isso é uma merda constante, quotidiana, diária, horária, minutária, é teres um diálogo constante contigo. Não, não o farás, não, não o farás, ouve lá esta música, lê lá este livro, foda-se, perdi-te, ouve isto, vê isto, pronto, está bem, bebe lá um copo. Mas juizinho, porque a luta continua daqui a minutos. E continuará até ao dia em que a força fenece. Ou até que te apercebas de que estás sentado num banco de jardim ao lado de de putos com menos 20 anos do que tu, a fumar ganzas e a falar da filha que tu tens e que não vês, porque perdeste a luta diária que tiveste contra ti.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub